A tvinização da sic

"Nova descida dos ratings da banca depois do violento ataque ao rating da república" - Frase em rodapé no Jornal de Economia da Sic.

Ataque? Isto é uma guerra contra as agências de rating? Elas não têm motivos de preocupação quando o estado português não tem dinheiro e somos governados por uns políticos como Sócrates que agora não quer cobrar taxas em algumas scuts?

Podemos criticar as agências de rating mas não me lembro de a Europa ter tomado alguma medida substancial aquando da crise de 2008.

To be is to communicate

As Bakhtin said, "to be is to communicate". :)



Estou farto deste país de gente doida.

3 words: printers, justice, Portugal

Yes, printers. You know, that peripheral which produces a text and/or graphics of documents stored in electronic form, usually on physical print media such as paper. You got the point.

So, what's the relation between printers, justice and Portugal? It's simple.

Today we knew that some courts are at risk of not having printer ink cartridges because the Ministry of Justice of Portugal is lacking the financial resources to buy them. Yes, you read it right. There's nothing unreal here. This is reality.

Yes, Portugal is in Europe and we have electricity here.

O governo que só desgoverna

É nesta altura que o meu alerta de reactividade relativamente a governos tóxicos atinge o seu limite.

Muitos de vós ouviram falar do previsto aumentos dos montantes relativos aos ajustes directos. De acordo com o governo, o aumento das verbas é "absolutamente normal". Tendo a concordar. Seria absolutamente anormal que este governo acertasse uma em cheio.

Embora não tendo a certeza, há algo que me serena. Julgo que os gastos mais elevados terão passar pelo crivo do Tribunal de Contas. Tome-se isso por verdadeiro. Mesmo assim, é muito difícil aceitar que o governo tenha o descaramento para violar incessantemente a partilha colectiva de uma missão comum: poupar o mais possível e gastar pouco e bem para alcançar as metas estabelecidas.

Não é difícil perceber, portanto, que esta iniciativa abana brutalmente o sentimento de justiça das pessoas relativamente à gestão pública.



Soon after I arrived at St Cyprian's (not immediately, but after a week or two, just when I seemed to be settling into the routine of school life) I began wetting my bed. I was now aged eight, so that this was a reversion to a habit which I must have grown out of at least four years earlier. Nowadays, I believe, bed-wetting in such circumstances is taken for granted. It is normal reaction in children who have been removed from their homes to a strange place. In those days, however, it was looked on as a disgusting crime which the child committed on purpose and for which the proper cure was a beating. For my part I did not need to be told it was a crime. Night after night I prayed, with a fervour never previously attained in my prayers, ‘Please God, do not let me wet my bed! Oh, please God, do not let me wet my bed!’, but it made remarkably little difference. Some nights the thing happened, others not. There was no volition about it, no consciousness. You did not properly speaking do the deed: you merely woke up in the morning and found that the sheets were wringing wet.

George Orwell . Such, such were the joys.


Não sejas parvo

Ninguém terá justificação para se deixar passar por parvo. Quem estiver com problemas de memória poderá rever os conteúdos que a web disponibiliza. Basta procurar no Google.

Para outras questões mais graves, estarei disponível para a realização de consultas clínicas de Psicologia.

Prometo não utilizar o DSM para rotular a parvoíce, falta de memória ou incapacidade para realizar cognições saudáveis.

Cumpro a promessa de praticar preços inversamente proporcionais aos resultados da irresponsabilidade e incompetência do Primeiro Ministro demissionário.

Não aceito consultas com pessoas que falem Espanhol. Não possuo fluência suficiente da língua para o fazer.

Melhores cumprimentos,

Ricardo Almeida


Elections in Portugal and Canada

Despite of the fact that the two parliamentary houses are being dissolved almost at the same time, Canadians will have elections on May 2 and Portuguese on June 5.

1 month difference and Canada's not at risk of a bailout!

Portugal needs to start doing things right, that's for sure.

Oh well...

Give Them the Facts by Katharine Birbalsingh

Some excerpts taken from the article.

...this innovative, ground-breaking, 21st-century "preparing children for the modern world" lesson, contains no learning at all. There is no content, no actual knowledge that the children are writing, reading and thinking about.

Gove's reform has caused controversy because our state education system has been moving, for a long time, from teaching children "lots of stuff," to teaching them "skills" instead.

To learn how to count, one must count something. And to learn one's numbers, one must involve the skill of counting. Where then is the bone of contention?

"If they will not learn the way we teach, then we must teach the way they learn." So French teachers write texts using the names of the pupils to make French more "relevant" and entertaining.

What skills advocates don't seem to understand is that taking in knowledge also teaches one how to think.

Many state-school teachers are superb, but as they are judged by standards that value skills over content and are driven by targets and exams, content is inevitably slimmed down.

Reading a wide variety of literature increases one's emotional literacy, which is an essential skill for success.

...boring the kids to death by never teaching them any knowledge is precisely what drives them into the comfort of their Xboxes and PlayStations. We don't necessarily need a massive injection of technology in our schools to make lessons more interesting, as some would argue. We just need to teach our kids something worth learning.

Rigorous English and Maths have practically evaporated from our schools.

Knowledge comes in all shapes and sizes and if some of it was ever problematic, there is no reason to throw the baby out with the bath water.

The skills agenda is so ingrained in our thinking that we don't even question it. For all the good of "teaching people thinking skills", we seem incapable of being critical of the dogma that is depriving our children, in particular our poorest, of the privilege of basic knowledge: what the skills advocates themselves had in abundance at their own schools when growing up.

No, these quotes are not about Education in Portugal but they could be. Moreover, it's even worse in Portugal. Just remind yourself of the Magalhães computers that were given to young students or the tests that were made easier...

I leave it to your meditation.

Full article

Jolicloud and Chrome OS: some notes

Disclaimer: I'm just a Psychologist with great love for technology. I'm ignorant about coding and UX design implications.

This is meant to be just a simple analysis about two amazing projects and the web computing experience.

Jolicloud is an amazing project that uses Linux, HTML5 and the Chromium technologies to create a cloud based user experience while keeping the access to local stored apps. It uses chromium instances to launch web apps like a regular local app. Additionally, you can use Chromium to surf the web.

ChromeOS is also a Linux based project, built on top of Chromium (which lead to the best browser ever, Chrome: ok, it's my opinion). Its main attributes are speed, security and simplicity.

With the motto (in my own words) "live the web", they are working to give us nothing more than the web. Nothing more, nothing less. Although it sounds appealing, and it sure is, there's no possibility to run local apps. That's the great distinctive point when compared to Jolicloud. It can be a caveat to some people which for some reason need local apps to do their business.

To put it simply, ChromeOS is a Chrome browser with a linux kernel. It doesn't allow you to open that word document or that game that you like to play on your Windows machine.

Now you might be thinking that the hybrid approach of Jolicloud is much more interesting than ChromeOS. If you need local apps, it probably is; if not, the case can be different.

While I really enjoy Jolicloud I think that it has a great inconvenient. Let me TRY to explain. If you want to access a web site in Jolicloud you launch Chromium (or any other browser but let's keep with Chromium). But in Jolicloud you also have the possibility to click a web app, which will open like a regular app. You get Chromium and the web app as two separate apps. This is when things get weird.

You open Chromium and start browsing the web (check emails, read the news, etc), loading several tabs in the browser. But then you remember to open that amazing web app that you found in the Jolicloud "store". You click it and it opens independently of the browser. Now you have a browser with several tabs and a web app. Which leads me to ask why would you have a web app launching as a separate instance and not like a tab of Chromium? On the other hand, everything you open in ChromeOS will be presented in a tab. Every web app will in each tab. That makes a great difference to me.

How do I think that Jolicloud could fix this? Simply by forcing each web app to load as a tab of Chromium. If they do that they will improve the user experience dramatically.

I'm eagerly waiting for ChromeOS. I think that it has the potential to change the computing paradigm. Being an avid Chrome browser user and Google apps aficionado (Docs, Calendar, Reader, Books, Picasa etc), I think that if Google:

a) improves the way apps communicate between each other in the web (e.g., drag and drop between different web apps);

b) introduces integrated offline capabilities to Docs;

c) improves Docs compatibility with Microsoft's documents;

d) improves speed, memory management of tabs and security in ChromeOS;

e) brings movies and music services to the Google apps experience, syncing them with Android's software (both in tablets and smartphones);

f) convinces carriers and manufacturers (e.g., LG, Samsung) to provide Android's firmware updates without having to rely on Windows or Mac software;

g) makes it clear to customers all over the world that ChromeOS is not an evolution of Windows or OSX but a revolution in the way you interact with the web;

h) keeps stimulating developers to create great web apps (e.g., with HTML5 strengths and other web technologies); and

i) ensures that vendors will provide well designed hardware (notebooks like the Cr48 but better, and other appliances like TV's) at a good price.

If they do this they will have great chances to change considerably the computing experience of millions of people, benefiting Jolicloud and other web driven linux distributions with their success.

Título mais bem...

1º ponto: eu sei que a probabilidade de errarmos existe. Todos nós erramos. Muitas vezes porque escrevemos à pressa e não revemos o texto, outras porque simplesmente nos enganamos. Pacífico.

2º: mas de onde surgiu o vírus do "mais bem"? É "mais bem" no discurso dos políticos, é "mais bem" nas revistas, jornais e tv´s, é "mais bem" nos blogs..Pessoal, parem de fazer isso! Onde é que foram buscar esta treta?

3º: escreve-se "melhor"!

4º: não é difícil, pois não?

5º: obrigado.

6º: se eu me enganar a escrever, corrijam-me. Eu agradeço.


Aditi Shankardass: A second opinion on learning disorders

Just listen and think.

Email game - read, answer and delete your emails in Gmail

Having an hard time with all the clutter in your Gmail inbox? Or do you want to do the Saturday house cleaning version of your inbox? Try Email Game It's a funny funny way to get rid of the mail that you don't need.

I never thought that I could laugh while deleting emails! Give it a try!

Screen capture app for ChromeOS

After trying some extensions, I found that Pixlr Grabber does exactly what I need: simply capture parts of webpages and share them. Period. It does what we were used to do with the Snipping tool, but way more effectively.

With Pixlr Grabber you can edit, save and SHARE.

If you use Pixlr to grab pictures for your blog (Blogger), be aware that the url of the screen capture not always work. Right click the capture and choose "copy url of image". Then, paste the url in the box "add image from the web".

A wish with a tv and ChromeOS

How great would it be to have a tv with ChromeOS, connected by wireless and with a bluetooth keyboard?

And now imagine that you could use ChromeOS to have one tab with one tv broadcast and another tab, side by side or not, with an instance of the web.

And think how cool it would be to have your Android synced with your tv...

Sounds nice, right? ;)

Comments are welcomed.


Life satisfaction in Europe

Not only Portugal has a poor economical and social (e.g., education) development but it's also one of the gloomiest countries in Europe. Take a look at the results below.

Life Satisfaction in Europe

rank Country 0-10

1 Denmark 8.4 ----- BEST
2 Switzerland 8.2
3 Iceland 8.0
4 Finland 7.8
5 Sweden 7.8
6 Luxembourg 7.7
7 Ireland 7.7
8 Netherlands 7.5
9 Austria 7.5
10 Norway 7.5
11 Malta 7.4
12 Belgium 7.4
13 Cyprus 7.2
14 Spain 7.2
15 United Kingdom 7.2
16 Germany 7.0
17 Slovenia 6.9
18 Italy 6.8
19 France 6.6
20 Czech Republic 6.4
21 Greece 6.3
22 Poland 6.1
23 Portugal 5.7
24 Estonia 5.6
25 Hungary 5.5
26 Slovakia 5.5
27 Romania 5.4
28 Latvia 5.1
29 Lithuania 5.1
30 Bulgaria 4.1 ----- WORST

European happy planet Index

rank Country hpI

1 Iceland 72.3 ----- BEST
2 Sweden 63.3
3 Norway 56.0
4 Switzerland 51.6
5 Cyprus 51.3
6 Denmark 49.8
7 Malta 49.4
8 Slovenia 48.5
9 Netherlands 48.4
10 Austria 47.9
11 Latvia 47.5
12 Spain 47.4
13 Ireland 46.5
14 Italy 46.4
15 Germany 46.3
16 Finland 45.7
17 Belgium 45.5
18 France 44.8
19 Poland 43.9
20 Romania 43.7
21 United Kingdom 42.3
22 Portugal 41.8
23 Slovakia 40.8
24 Czech Republic 39.7
25 Lithuania 39.0
26 Hungary 38.3
27 Greece 38.3
28 Bulgaria 29.7
29 Luxembourg 29.6
30 Estonia 29.3 ----- WORST

But not so bad in terms of Life Expectancy

rank Country years

1 Switzerland 80.5
2 Sweden 80.1
3 Iceland 79.6
4 Italy 79.6
5 Spain 79.6
6 Norway 79.5
7 France 79.3
8 Cyprus 79.1
9 Greece 78.8
10 Belgium 78.7
11 Austria 78.7
12 Malta 78.7
13 Netherlands 78.5
14 Germany 78.5
15 United Kingdom 78.4
16 Finland 78.4
17 Ireland 78.2
18 Luxembourg 77.9
19 Denmark 77.4
20 Portugal 77.3
21 Slovenia 76.4
22 Czech Republic 75.3
23 Poland 74.6
24 Slovakia 73.8
25 Hungary 72.4
26 Bulgaria 72.1
27 Lithuania 71.9
28 Romania 71.5
29 Estonia 71.3
30 Latvia 70.7

Of course situations can change tremendously within countries (e.g., austerity measures in some European countries) but I think that the structural dissatisfaction among Portuguese citizens is deeply rooted in a collective frustration. There are many causes but let's leave that for some other time. :)

Via Happy Planet Index

The world(s) of prosperity

“If our nation took to similar economic exploitation [as the West],
it would strip the world bare like locusts… It took Britain half the
resources of the planet to achieve this prosperity. How many
planets will a country like India require?”

Mahatma Gandhi, 1928

Some Portuguese Education Data

Conclusion: Portugal has a long way to go to meet the challenges to be an European developed country. You can talk about bailouts and economic crisis and that sure is important but what Portugal and its governments need is to create a compelling vision and mission for the country, asserting that guidelines and implementation of measures in the society (e.g., Education, State bureaucracy,Justice)are subject of a rigorous process of scrutiny and accountability. Portugal has no margin to fail.

Pictures taken from the good article "A Nation of Dropouts Shakes Europe"


A crise política e os juros das OT portuguesas

Será que o aumento dos juros deve-se à crise política ou ao facto do BCE se ter retirado da compra das OT portuguesas?

Talvez se deva à incerteza que a crise política encerra, assim como à constatação do BCE que o Estado Português necessitará de uma ajuda financeira. Ou...

talvez não.

A Fitch já afirmou que não baixará o rating de Portugal apenas por haver eleições. Mas...

se as contas de 2010 estiverem erradas e o deficit tiver sido cerca de 8%....Então, mais vale fugir para um monte alto. Resumindo...

que tal considerar que não é apenas a crise política que está a causar um aumento nos juros das OT?


Democracia em Portugal

Portugal é um lugar bastante estranho. Por diversas referi que é um lugar com características esquizofrénicas. Basta alguma distância, como por exemplo umas semanas fora de Portugal, para perceber que, de facto, há algo estrutural nesta sociedade que não funciona como deveria funcionar.

Portugal é uma democracia perfeita, de acordo com aquilo que é referido no Índice de Democracia. Curiosamente, de acordo com este Índice, França é uma democracia imperfeita, atrás de Cabo Verde. Adiante.

Vem a isto a propósito do desespero que grassa em Portugal sobre o momento político em que se vive. Dizem alguns que esta é uma péssima altura para acontecerem eleições. É verdade. Contudo, a Democracia é uma viagem sem paragens obrigatórias. Cabe aos homens que nela participam avaliar o que é melhor para o país, tendo em conta a responsabilidade que a Democracia lhes exige.

Dado que vivemos numa Democracia indirecta, temos que aceitar que os partidos políticos possam tomar decisões como aquela que o PSD tomou, i.e., não aceitamos que o actual governo continue a governar, dada a sua manifesta incompetência para gerir o país. Por outro lado, o governo tem o direito de referir nós temos direito a governar porque tivemos uma maioria relativa, confiada pelo povo e temos um óptimo desempenho para vos mostrar. Se a primeira parte é correcta, a última não.

De facto, no país em que ninguém se demite, tudo se admite (crédito ao PSG, Jornal de Negócios), exigir que alguém se demita por ter sido sistematicamente incompetente parece ser criminoso. Obviamente que me dirão que esta ocasião é especial. Verdade. Mas não será a Democracia Portuguesa algo especial? Não será que o governo errou de forma clamorosa ao longo dos últimos anos? Não será que teve a sua oportunidade (6 anos) para nos transmitir uma visão aliciante e resultados efectivos da gestão de Portugal? Não será que lhe foram dadas as condições possíveis e suficientes para ultrapassar os últimos 3 anos? Contudo, pouco conseguiu.

Um trabalhador pode e deve ser despedido se fizer um mau trabalho, certo? E será despedido quer esteja com problemas graves ou no momento mais feliz da sua vida. Porque não poderá o governo ter o mesmo julgamento? Será o governo mais importante que a Democracia?

A hecatombe portuguesa prevista por vários comentadores e antigos responsáveis políticos de Portugal, leva-me a pensar que a sociedade portuguesa ainda não tem a maturidade suficiente para se focar na resolução dos problemas do país. Prefere uma Democracia medrosa, cristalizada naquilo que dá jeito que seja em determinado momento, em vez de se focar na responsabilização dos seus cidadãos (partidos, governos, e outros) nos processos e resultados que a sociedade lhes exige: uma vida melhor para todos.

Salvaguardadas todas as formalidades - o mais interessante de tudo é que a Democracia não pede licença, ela é; não pede desculpa, exige; não comanda, implica; não se amedronta, prevalece.

Portugal tem um grave problema: os seus cidadãos não se conseguem organizar convenientemente de modo a produzir o país que anseiam, que desejam mas não conseguem concretizar. Demasiado fracos, demasiado esquecidos. Governados pela memória, esqueceram-me dos princípios e dos valores, sonham com os talheres de ouro na mão mas não têm nada mais para comer do que pão rijo.

É na Democracia que os homens fazem o seu melhor; será com os homens que ela melhorará.


A antecipação de Sócrates

É bem provável que a UE e Merkel tenham dito a Sócrates que não haveria nenhuma hipótese do país fugir de um apoio formal da UE e FMI. O que faz Sócrates? Articula uma estratégia clara para produzir uma crise política, encostando o PSD à parede e evitando ficar com o ônus de ter sido o governo que foi apanhado nas garras do FMI.

Objectivo: vocês, PSD, não aprovam este PEC, por isso querem empurrar o país para o apoio formal. Nós, governo, somos a salvação; vocês, o dilúvio.

Simples e direitinho.

A inversão da racionalidade

Neste momento na sociedade portuguesa tudo parece estar programado para se considerar que a vitória do país é atingir um deficit de 4.6% no final de 2011 e de 3% em 2012, se não estou enganado. Leram bem? Ok, continuemos.

O que estou a dizer é que o governo está a (pretender?) ser avaliado apenas pelo cumprimento de metas do deficit, sendo que vários objectivos orçamentais do passado recente não foram alcançados. Sim, são metas importantes e é urgente reformular o funcionamento do país.


Será que uma sociedade só tem que exigir aos seus governantes que ponham as contas do estado em ordem? Não existirão outras questões importantes na governação? Não se deverão exigir resultados objectivos e assunção de responsabilidades na gestão eficiente das áreas da administração central, educação, saúde, justiça ou nas condições que fomentem o crescimento económico?

Não se deverá exigir que o Ministro da Justiça se demita por a mulher ter recebido dinheiro indevidamente, de acordo com as instâncias da justiça?

Não se deverá exigir que o deputado Ricardo Rodrigues do PS seja posto fora do parlamento por ter "fanado" os gravadores dos jornalistas da revista Sábado? O mesmo que está presente no conselho do Ministério Público por nomeação da Assembleia da República...

Não se deverá exigir que o Ministro da Administração Interna saia por ter sido incapaz de gerir a questão dos nºs de eleitor nas últimas eleições?

Para não falar de Sócrates e as suas licenciaturas ao domingo...

Será que as pessoas têm que se deixar enganar pela afirmação do Ministro das Finanças relativamente ao TGV? Será que temos que admitir que o TGV seja feito mesmo que a economia não tenho acesso a financiamento? Será que temos que aceitar colocar fundos na construção de um comboio, deixando que as empresas, de todas as dimensões, se vejam privadas de financiamento para fazerem crescer a economia? Será que temos que aceitar isto?

Será que ninguém se indigna perante o tom messiânico de Sócrates quando fala da sua acção como primeiro ministro?

Será que ninguém se zanga com o congelamento das reformas mais baixas dos nossos velhos (nossos pais e nossos avós, enfim, pessoas)?

Será que ninguém assume responsabilidade neste país, será que ninguém se demite, que tudo se deve aceitar, como diz Pedro Santos Guerreiro no seu último editorial?

Que país é este? Que sociedade é esta que come tudo e cala, sem reflectir sobre os assuntos, sobre o SEU FUTURO?


Walt Whitman - Song of myself

I have no chair, nor church nor philosophy;

I lead no man to a dinner table or library or exchange,

But each man and each woman I lead upon a knoll,

My left hand hooks you round the waist,

My right hand points to landscapes of continents,

and a plain public road.

Not I, not any one else can travel that road for you,

You must travel it for yourself.

Song of myself from Leaves of Grass 1855 A Textual Variorum of the Printed Poems, Volume I: Poems 1855-1856 Sculley Bradley, Blodgett H. W et al, eds. NY: New York University Press, 1980.

Sócrates, o Messias

Foi esclarecedor ouvir a entrevista ao PM José Sócrates ontem à noite, na Sic. Ficou claro que a sua política comprimida entre uma liderança autoritária e uma aura messiânica, redonda no inevitável: ou eu e a minha verdade ou o dilúvio. Melhor, todos aqueles que têm uma interpretação diferente da realidade são pessimistas e não são patrióticos. Todas as expressões de democracia que não se encaixem na adesão ao Grande Líder Sócrates estão condenadas. Sócrates é a democracia, daí não dar importância às formalidades que a sustentam.

É interessante verificar que é esta incapacidade de leitura da realidade que impede que o PM seja parte da solução. Não, ele é o problema. Sim, O problema principal na condução da gestão do país.

Pedro Passos Coelho, nascido num berço de valores e princípios sólidos, tem outra perspectiva. Ele disse há cerca de 2 dias que os governos vêm e os governos vão mas que o país ficará. Esta é a verdade que José Sócrates não admite, apesar de dizer que está a fazer tudo pelo seu país e que não vira a cara à luta nem desiste.

Sócrates, por mais que diga o contrário, está grudado ao poder porque é este poder que lhe permite exercer a magnitude da sua identidade empedernida em todo o esplendor. Se na primeira legislatura isso foi claro, mais óbvio é nesta legislatura.

Sócrates não hesita em angariar-nos para uma adesão bíblica da sua acção. Ao contrário do que diz, não está interessado no país. Está, isso sim, em que nós aceitemos que ele é o Messias que nos levará ao céu, apesar de num cruzamento lá atrás nos ter conduzido ao inferno.

Sócrates não tem uma identidade que gere harmonia na sociedade. Ele desequilibra e agride, gere conflitos e promove as análises simplistas, pois só elas permitem uma absorção imediata da sua verdade.

Sócrates não erra, Sócrates tem convicções.

Sócrates isola partes da realidade e devolve-nos os traços expressionistas mais carregados.

Quem gostar de papinha para os seus cérebros lamacentos, faça favor de se servir.


A nuvem dos medos

Eis o resultado gráfico decorrente de perguntas muito simples feitas a vários alunos do 1º e 2º anos de escolaridade: tens algum medo? Qual é? Quais são?

Simplesmente para apreciar.

Sócrates e o misticismo

É interessante notar a frequência com que o Primeiro Ministro (reparem no pormenor do 1º..já vão perceber) José Sócrates utiliza as palavras "espírito" e "mente".
Analisemos os significados de cada uma das palavras, retirados do Dicionário Priberam Online.

Espírito (latim spiritus, -us, sopro, ar, alma)

1. Coisa incognoscível que anima o ser vivo.
2. Entidade sobrenatural. = abantesma, alma, espectro, fantasma
3. Ente imaginário.
4. Ser de um mundo invisível.

Mente (latim mens, mentis, inteligência, alma)

1. Parte do ser humano que lhe permite a actividade! reflexiva, cognitiva e afectiva!. = entendimento, espírito, intelecto, pensamento
2. Armazenamento de experiências vividas. = memória, lembrança
3. Disposição de espírito.
4. Aquilo que se pretende fazer. = intenção, intuito, pensamento, propósito, tenção
5. Maneira de compreender ou imaginar o mundo. = imaginação, percepção!
ter em mente: lembrar-se ou ter como intenção.

Facilmente notamos o cheirinho a sobrenatural nestas duas descrições. Repare, Espírito remete para a noção de uma entidade abstracta, imaginária e, portanto, sobrenatural, e a Mente surge com a função do Espírito.

Quando Sócrates diz, por exemplo, "não está no meu espírito..." ou "tenho na minha mente que...", está basicamente a dizer-nos que orgão e função são compreendidos como sendo exactamente a mesma coisa. Daí advém que o floreado místico, repleto de mini expressões que personalizam a sua inefável autoridade, seja apenas uma expressão da identidade messiânica de Sócrates. Mais, o Messias Sócrates traz a sua sabedoria num manto sedutor, bebida pelos seus discípulos como o néctar da verdade, incontestável no seu conteúdo, bitola na sua forma.

Sócrates é o Primeiro Ministro. O primeiro. O Ministro que vai à frente, que abre o caminho, que ilumina os outros discípulos. Que mostra a verdade. Ele dá-lhes a verdade com gotas mágicas, vertidas pelo seu espírito e pela sua mente. Deles se espera que lhe lavem os pés e que lhe respondam afirmativamente à sua magnanimidade altiva. O pusilâmine escondido atrás das suas crenças e que ouse questioná-lo é vergado pelo poder da repreensão moral que o mestre lhe provocaria, o que pressupõe uma dor insuportável de exclusão da torrente da vida.

A sua sucessão é impossível, dado que nenhum Líder místico pode ser substituído. Estas lideranças são imortais, uma vez que se impregnam na carne daqueles que o seguem; atormentam os que têm dúvidas; e anulam aqueles que ousam criticá-lo.

Sócrates assume-se como o caminhante peregrino no reino da sua aura mística. Vê uma luz difusa, que o cega pela iluminação que lhe provoca no espírito. A sua verdade é A verdade; a sua rota é A rota; as suas decisões são As decisões.

Contudo, Sócrates não é realmente um líder. É apenas um homem que usa a sua inteligência e capacidade de manipulação para criar uma realidade paralela, bem expressa pela utilização do seu espírito e mente. Sócrates não poderia substituir Espírito por Alma porque sobre a Alma poderão cair punições graves. O Espírito de Sócrates, no significado aqui apresentado, eleva-se acima da repreensão ou punição.

Sócrates não é um político duro; é um político embrutecido. Sócrates não transmite sinceridade nas suas expressões verbais e corporais. Basta relembrar que todas as suas bengalas linguísticas (e.g., "absolutamente essencial") são utilizadas para segurar as fundações de um discurso tautológico, feito para uma absorção acéfala e não para um embevecido processo analítico. Ele sabe que se deixar de lado o cimento que lhe cola as palavras num discurso mono-color, várias brechas surgirão na mensagem que deseja transmitir.

Sócrates não transmite a confiança que caracteriza um líder; ele tenta colá-la com cuspe nas camadas profundas do nosso cérebro, nos alvéolos da nossa inteligência mais básica.

Sócrates é previsível e daí advém muito do seu poder. É o Mestre que quer orientar, o ancião que apresenta sempre as mesmas lições, na esperança que eles se tornem A verdade.

Sócrates é mais uma pessoa, tão insignificante e importante como tu e eu. Não tem o poder e aura mística que ele julga que possui, nem a capacidade política inata que lhe atribuem. Não, a política não é a arena dele por que ela não lhe permitiria, e se fosse, então a política teria um significado muito diferente daquele que tem.

Sócrates ilumina o seu caminho com a sua própria luz; não se alimenta da luz do seu povo. A sua energia advém da SUA missão, não da missão conferida por um povo que comanda uma nação.

Sócrates diz que o país dele tem mais de 800 anos; o país dele pertence a uma realidade aleatoriamente prevista no seu ideário; Portugal é uma abstracção total, assimilada e criada constantemente por uma narrativa multipolar. Portugal é dos Portugueses, os que estão e os que foram. Portugal nunca será de Sócrates porque ele será sempre mais que um País.

Sócrates é mais um. Nem mais, nem menos. Interessante? Sem dúvida. Mas também já escrevi sobre uma chávena de café.


Não fiques à rasca! - Programa de Orientação Escolar e Vocacional/Profissional

A Orientação Escolar e Vocacional/Profissional (OEV/P) é tremendamente importante para o futuro dos alunos do 9º e do 12º anos. No entanto, um grande número de escolas não dispõe de um serviço de Psicologia que possa proporcionar-lhes um programa de OEV/P e quando dispõem, têm dificuldade em responder às solicitações idiossincráticas de cada um dos alunos.

? Quantos jovens se vêem perdidos na escolha que têm que tomar e que, indelevelmente, irá condicionar fortemente o seu percurso escolar e a sua motivação e felicidade?

? Quantos se questionam numa angústia gritante sobre se estão no curso certo ou se tomaram a melhor decisão no 9º ano?

? Quantos tomam decisões sem conhecer a oferta completa que têm à sua disposição?

Muitos, sem dúvida. Não sejas um deles! Eu posso ajudar-te!

Bem sei que é difícil tomar uma decisão vocacional aos 15, 16, 17 ou 18 anos, que seja óbvia e clara como água límpida. Por várias razões:

- Estás num processo intenso de elaboração da identidade;
- O Mundo têm evoluído muito depressa, sendo criadas novas profissões e anuladas outras à medida que os novos desenvolvimentos tecnológicos vão acontecendo;
- Existem diversas rotas académicas e muitas profissões;
- És influenciado(a) pelas vivências que vais tendo com os teus amigos, pais, irmãos e outros familiares, professores, figuras inspiradoras, pelo país e situação europeia...Enfim, uma catrefada de gente e experiências!

Vamos lá então conhecer os 3 eixos de uma decisão vocacional/profissional:

- Auto conhecimento: tens que olhar para ti próprio(a) e perceber o que és neste momento, como queres evoluir e que marca queres inculcar na tua vida.

- Conhecimento vocacional: deves analisar cuidadosamente todos os percursos académicos/formativos, ou seja, todas as opções e alternativas.

- Capacidade para relacionar o auto conhecimento e o conhecimento vocacional: isto é essencial. Poderás conhecer-te bem e ter todo o conhecimento vocacional, mas se não conseguires relacionar ambos terás muita dificuldade em tomar uma decisão consistente.

Mas tem atenção! Uma decisão vocacional/profissional deve ser:

- Múltipla (plano A, B, C, etc): devido às mudanças que estão sempre a acontecer e que são imprevisíveis. Isto não significa que não tenhas uma clara noção da “rota” que queres seguir mas deverás ser suficientemente flexível para pensar noutros planos.

- Sincera: é bom sonhar e alguém disse que o sonho comanda a vida mas há aspectos em que temos que olhar necessariamente para a realidade. Sê sincero(a) contigo!

- Lógica e racional: deve fazer-te sentido. Ok, esta pode ser mais polémica porque podes falar-me de um anseio arrebatador que tens em ser médico(a) ou pintor(a)! No entanto, a decisão deverá ser bem pensada, terá que fazer sentido e não ser apenas um desejo. Se fechares os olhos e pedires muito para ganhar o Euromilhões, não será por isso que o irás ganhar! ;)

Características do programa

- Desenhado à medida das necessidade da pessoa, privilegiando-se diferentes fases de acordo com o nível de maturação da decisão vocacional;
- Organizado em torno dos 3 eixos referidos, incluindo-se Entrevista multifactorial; Pesquisa e análise de informação vocacional; Testes de Interesses/Preferências vocacionais, Valores e de factores de Inteligência; Discussão das conclusões; Relatório.


- Local: consultório ou residência do jovem, desde que num raio de 10 km de Ovar;
- Disponibilidade para partilha de dúvidas por email ao longo do processo;
- Horários flexíveis (ao fim do dia durante a semana ou ao fim de semana);

Sobre mim

- Psicólogo Escolar, inscrito na Ordem dos Psicólogos, com experiência nas áreas da Educação e da Gestão de Recursos Humanos.
- Licenciado em Psicologia e com Pós-Graduação em Gestão de Recursos Humanos.


- Mail ricardopintoalmeida arroba gmail ponto com
- Twitter @rfpa
- Facebook @ricardopintoalmeida


My Must Have Chrome Extensions

- Simple Calendar: nice calendar with some interesting options, like showing the current time. Great when you use Chrome with Win7 feature "auto-hide taskbar";
- Quick Notes: take notes while working with different webapps without having to open wordpad or another doc page;
- Picknick: edit your photos quickly and with efficiency, screen captures included;
- DayHiker: get your calendar events warnings without having to open Calendar;
- Instant Goo.gl Url shortener: this is easy. :P Let's you automatically copy shortened urls to Twitter, etc;
- Google Dictionary: underline the words you don't know and get their meanings;
- Dicionário PT: ease to use portuguese dictionary;
- View Thru: check hidden urls to find out if they are harmful;
- Docs PDF/PowerPoint Viewer: self explanatory. :P

These are some of the most interesting and productivity driven extensions that I found.

Any suggestions?