8.15.2008

Adeus

As emoções flutuam por entre as pessoas. Dentro de uma pessoa. Os sentimentos divagam sobre as mãos dela. Inerte. Músculos distendidos. Imóvel. Em silêncio.

A carpideira ruge o soneto, como que procurando fugir à fluidez dos sentimentos e emoldurar um quadro pitoresco e provinciano do sofrimento. Há quem julgue que o quadro fica melhor quando se arranja o conteúdo com lágrimas e sons de plástico.

Tilintavam as lágrimas silenciosas. Surgiam-lhe pelos olhos fechados. A sua face, recôndita, abandonada, impunha silêncio. E todos se vergaram. Por alguma coisa. Por algo que embeleza o altruísmo de partilha da rosa num mar de rosas.

E ela foi. Caíram as pedras, foram as pessoas. E lá está ela sozinha. Para sempre sozinha, na terra agreste rochosa.

Para sempre acompanhada, levada nos braços por memórias que apaziguam e veneram. Um exemplo de tenacidade, um orquídea selvagem nos pensamentos.

Adeus.
Post a Comment